De olhos bem abertos!

Quando Luma Pereira tinha 4 anos, seu programa favorito era Castelo Ra-Tim-Bum. Quando a vinheta começava, ela – hoje uma jornalista de 22 anos – se posicionava na frente da TV. Se se sentasse mais longe, não conseguiria ver o que passava na tela. “Meus pais me incentivavam a assisti-la do sofá. Uma vez fiz o que pediram, mas, como não enxergava daquela distância, acabei dormindo a tarde toda”, recorda-se.

Após uma visita a um oftalmologista, ela foi diagnosticada com 3 graus de miopia. “Quando os óculos chegaram, os objetos não estavam mais borrados e dava para ver de longe”, conta a moça, que hoje tem quase 10 graus em cada olho. Casos como o de Luma são comuns e podem resultar em problemas graves, se não diagnosticados, e ainda podem afetar o desenvolvimento cognitivo e mesmo social da criança. Por isso, é preciso que o cuidado com a visão comece desde cedo.

Fique de olho sempre!
A visão é considerada, hoje, o sentido mais importante para a sobrevivência, e deve ser cuidada desde a infância até o fim da vida. Uma das precauções é feita logo no nascimento, ao realizar-se o “teste do olhinho”. Nele, a enfermeira direciona uma luz para a pupila, que deve ficar vermelha ao refletila – como nas fotos em que se usa flash -, indicando que o raio não encontrou desvios no caminho. O exame pode detectar tumores ou mesmo catarata congênita, e agora é obrigatório nas maternidades públicas do governo do Estado de São Paulo.

De acordo com Milton Ruiz, professor livre-docente de oftalmologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e vice-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), até os 6, 7 anos de idade, o olho da criança ainda está em formação, por isso é importante que os pais tenham cuidados redobrados. “Deve-se observar sempre os dois olhos dos filhos, verificando se são semelhantes: pupilas iguais, córneas transparentes, sem desvio algum da visão. É interessante também colocar a mão na frente de um dos olhos, para verificar se o outro tem boa visão: basta observar se a criança não tentará destapá-lo”, ressalta Ruiz.

Uma vista ruim também causa quedas no rendimento escolar, a partir dos 10 anos de idade, principalmente. “Notas ruins, dor de cabeça e falta de interesse são sinais de que a criança talvez precise ser examinada por um oftalmologista. Algumas estatísticas indicam que de 10% a 15% dos maus alunos têm problemas de visão”, explica Ruiz. Pessoas com altas dioptrias (graus) devem tomar cuidado ao praticar esportes, pois são mais suscetíveis a descolamentos de retina, que podem ser causados por traumas como batidas, boladas e cotoveladas. E os atletas devem se precaver em modalidades que utilizam bolas pequenas, especialmente o squash e o tênis.

Em geral, é preciso também observar o ambiente. “No inverno, com a estiagem, aumenta a poluição, e isso pode evidenciar sintomas de olho seco, sendo muitas vezes necessário usar colírio lubrificante, ou seja, lágrimas artificiais”, aponta César Lipener, presidente da Sociedade Brasileira de Lentes de Contato (SOBLEC).

A visão é considerada, hoje, o sentido mais importante para a sobrevivência, e deve ser cuidada desde a infância.

Outra época perigosa é a meia-idade, quando bate à porta a famosa “vista cansada”, tecnicamente chamada de presbiopia. Não se iluda, achando que sua visão é de águia: de acordo com o oftalmologista Milton Ruiz, 100% das pessoas sofrerão desse mal entre os 40 e 50 anos de idade. O profissional ainda alerta: “Nessa fase, a principal causa de cegueira é a falta de óculos, conhecida como cegueira evitável”.

Mas, dos males, este é o menor. É nessa fase que doenças mais graves se manifestam. Uma delas é a catarata, que causa uma cegueira reversível, corrigida por uma cirurgia que troca as partes danificadas da córnea por um material sintético. Já o glaucoma, também comum a essa época da vida, está relacionado à pressão alta dos olhos, e é preciso estar atento, pois os sintomas são silenciosos e a perda de visão não tem volta: “na maioria dos casos, quando o paciente chega ao hospital, ele já está cego de um olho”, observa o médico Ruiz.

Fonte:

http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/105/de-olhos-bem-abertos-com-saude-nao-se-brinca-243858-1.asp